Trabalhadores da EBC aprovam indicativo de participação da Greve Geral do dia 28 de abril

Reformas propostas pelo governo Temer afetam diretamente os jornalistas

Escrito por: Sindicato dos Jornalistas do DF • Publicado em: 12/04/2017 - 15:12 • Última modificação: 12/04/2017 - 15:19 Escrito por: Sindicato dos Jornalistas do DF Publicado em: 12/04/2017 - 15:12 Última modificação: 12/04/2017 - 15:19

Em assembleia, trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) aprovaram o estado de greve dos trabalhadores para o dia 28 de abril. Os empregados irão construir estratégias para a Greve Geral  em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista em tramitação no Congresso Nacional.

O Sindicato dos Jornalistas do DF irá realizar uma assembleia geral com todos os jornalistas de Brasília, de órgãos públicos ou privados, para discutir a participação da categoria na Greve Geral.

Gésio Passos, coordenador geral do SJPDF, convoca os jornalistas a participarem das assembleias e mobilizações convocadas pela entidade. “É hora de agir. Dizer não a esse governo ilegítimo. Ir para as ruas enterrar essas reformas”, diz.

Impacto na EBC

As reformas propostas pelo governo Temer afetam diretamente os jornalistas, incluindo os da EBC. Uma reforma da Previdência, além de mudar a idade mínima e o tempo de contribuição, irá gerar um empobrecimento de todos, com a diminuição do valor do benefício. Além disso, pode resultar na demissão dos trabalhadores da EBC após seu pedido de aposentadoria, fato impedido pela legislação atual.

A reforma trabalhista, reforçando a lei da terceirização já sancionada por Temer, pode acabar com a perspectiva de carreira na EBC, além do fim dos concursos públicos, e uma terceirização indiscriminada nos órgãos públicos.

Moções

Durante a assembleia, os trabalhadores também aprovaram duas moções. Uma delas contra a censura a jornalistas da EBC e outra pela isonomia salarial entre as praças

Diante dos repetidos casos de censura empregados pela direção da empresa pública, os trabalhadores visam garantir a qualidade do jornalismo praticado dentro da EBC. O SJPDF inclusive denunciou a orientação às redações da empresa para que durante o carnaval de 2017 os jornalistas não cobrissem temas políticos, não fazendo sequer imagens de faixas e cartazes críticos à políticos e aos governos. À época, o Sindicato repudiou o ato.

“Sabemos que tudo isso tem um motivo político principal, o de impedir a cobertura de manifestações da sociedade contrárias ao governo, dessa forma desrespeitando a própria razão de ser da EBC, expressa na sua criação, com o princípio de “autonomia em relação ao Governo Federal para definir produção, programação e distribuição de conteúdo no sistema público de radiodifusão”. Este fato tem relação com a Medida Provisória (MP) do governo Temer que retirou dispositivos que garantiam esta autonomia.” Confira a moção completa

A assembleia também aprovou uma moção dos trabalhadores do Rio de Janeiro pedindo isonomia entre as praças da empresa. A maior crítica está na concessão de Prorrogação de Jornadas, que é inferior no Rio em comparação as outras praças, e no atendimento aos trabalhadores.

Título: Trabalhadores da EBC aprovam indicativo de participação da Greve Geral do dia 28 de abril, Conteúdo: Em assembleia, trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) aprovaram o estado de greve dos trabalhadores para o dia 28 de abril. Os empregados irão construir estratégias para a Greve Geral  em todo o país contra as reformas da Previdência e trabalhista em tramitação no Congresso Nacional. O Sindicato dos Jornalistas do DF irá realizar uma assembleia geral com todos os jornalistas de Brasília, de órgãos públicos ou privados, para discutir a participação da categoria na Greve Geral. Gésio Passos, coordenador geral do SJPDF, convoca os jornalistas a participarem das assembleias e mobilizações convocadas pela entidade. “É hora de agir. Dizer não a esse governo ilegítimo. Ir para as ruas enterrar essas reformas”, diz. Impacto na EBC As reformas propostas pelo governo Temer afetam diretamente os jornalistas, incluindo os da EBC. Uma reforma da Previdência, além de mudar a idade mínima e o tempo de contribuição, irá gerar um empobrecimento de todos, com a diminuição do valor do benefício. Além disso, pode resultar na demissão dos trabalhadores da EBC após seu pedido de aposentadoria, fato impedido pela legislação atual. A reforma trabalhista, reforçando a lei da terceirização já sancionada por Temer, pode acabar com a perspectiva de carreira na EBC, além do fim dos concursos públicos, e uma terceirização indiscriminada nos órgãos públicos. Moções Durante a assembleia, os trabalhadores também aprovaram duas moções. Uma delas contra a censura a jornalistas da EBC e outra pela isonomia salarial entre as praças Diante dos repetidos casos de censura empregados pela direção da empresa pública, os trabalhadores visam garantir a qualidade do jornalismo praticado dentro da EBC. O SJPDF inclusive denunciou a orientação às redações da empresa para que durante o carnaval de 2017 os jornalistas não cobrissem temas políticos, não fazendo sequer imagens de faixas e cartazes críticos à políticos e aos governos. À época, o Sindicato repudiou o ato. “Sabemos que tudo isso tem um motivo político principal, o de impedir a cobertura de manifestações da sociedade contrárias ao governo, dessa forma desrespeitando a própria razão de ser da EBC, expressa na sua criação, com o princípio de “autonomia em relação ao Governo Federal para definir produção, programação e distribuição de conteúdo no sistema público de radiodifusão”. Este fato tem relação com a Medida Provisória (MP) do governo Temer que retirou dispositivos que garantiam esta autonomia.” Confira a moção completa A assembleia também aprovou uma moção dos trabalhadores do Rio de Janeiro pedindo isonomia entre as praças da empresa. A maior crítica está na concessão de Prorrogação de Jornadas, que é inferior no Rio em comparação as outras praças, e no atendimento aos trabalhadores.



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.