MST lança carta contra reforma da Previdência e 'entreguismo' de Temer

Movimento dos sem-terra também reafirma luta em defesa da reforma agrária

Escrito por: MST • Publicado em: 31/01/2017 - 14:09 • Última modificação: 31/01/2017 - 14:28 Escrito por: MST Publicado em: 31/01/2017 - 14:09 Última modificação: 31/01/2017 - 14:28

São Paulo – Por mais direitos e contra a reforma da Previdência, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lançou uma carta na sexta-feira (27), reafirmando a luta pela soberania popular e a oposição às privatizações e medidas do governo de Michel Temer. No texto, o movimento diz que, além da defesa pela reforma agrária, busca reforçar a resistência contra "a venda de terras para o capital estrangeiro e o modelo do agronegócio". O MST também pede eleições gerais para o Congresso Nacional e para a Presidência da República. 

Ainda na carta, o movimento convoca todas as mulheres, do campo e urbanas, para uma grande jornada de lutas em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, contra a reforma da Previdência que "aprofunda mais a desigualdade de gênero".

A chamada Carta de Fortaleza foi aprovada durante reunião da coordenação nacional do MST, com mais de 400 militantes, realizada na capital cearense de segunda a sexta-feira da semana passada (23 a 27).

Leia o texto na íntegra:


CARTA DE FORTALEZA

Inspirados pelas lutas camponesas cearenses, nós, coordenadoras e coordenadores nacionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra nos reunimos em Fortaleza reivindicando a memória e o exemplo de Fidel Castro, do centenário da Revolução Russa e do cinquentenário do martírio de Che Guevara, para estudar a conjuntura política e agrária de nosso país e projetar os desafios e tarefas para o próximo período.

Há uma crise estrutural do capitalismo, acentuada desde 2008, expressa nas crises econômica, política, social e ambiental, representada pelas propostas autoritárias e fascistas, que ameaçam os direitos humanos, trabalhistas e os bens da natureza em todo mundo. Neste contexto, para que o Capital continue se apropriando dos recursos econômicos da sociedade, é necessária a eliminação dos direitos históricos da classe trabalhadora para que estes recursos estejam disponíveis unicamente para o mercado financeiro. O golpe e os atos institucionais do governo ilegítimo no Brasil, como a reforma da previdência, trabalhista, a PEC 55 e a entrega do Pré-Sal são exemplares deste movimento. Diante deste cenário:

1. Reafirmamos a necessidade de reformas estruturais e de uma Reforma Agrária Popular, que garanta a soberania alimentar, a soberania nacional contra a venda das terras para o capital estrangeiro e a defesa dos bens da natureza (a água, em especial o aquífero Guarani, a terra, os minérios, o petróleo e a biodiversidade). Somos contrários e combateremos a Medida Provisória 759 do retrocesso da Reforma Agrária, que privatiza as terras destinadas à reforma agrária, transformando-as em mercadoria, legaliza os grileiros de terras públicas e exclui os as trabalhadoras e trabalhadores acampados do processo de assentamentos.

2. Lutaremos contra a privatização das terras, disfarçada de titulação, e que pretende livrar-se dos assentados como mecanismo de exclusão das políticas de reforma agrária. Exigimos o registro dos lotes e dos assentamentos na forma de Concessão de Direito Real de Uso da Terra (CDRU) e o impedimento da venda de terras dos assentamentos.

3. Nos comprometemos a lutar com o conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e outras medidas que retirem os direitos historicamente conquistados. Nos comprometemos com a construção da Frente Brasil Popular e de seu enraizamento nos municípios.

4. Somos solidários e solidárias a todas as formas de lutas e resistência contra o Golpe e apoiaremos todos os setores de nosso povo que tem se mobilizado em luta, desde os povos indígenas e quilombolas aos estudantes em escolas ocupadas, na defesa da educação pública. Assim, nos somaremos à jornada de lutas de 8 a 15 de março convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE).

5. Denunciamos a criminalização da luta social, com a utilização de entulhos jurídicos que perseguem e condenam a luta social, sem provas e a serviço dos interesses do capital, fruto da soberba, arrogância e autoritarismo de um Poder Judiciário carregado de privilégios, mas sem nenhum compromisso social. Exigimos a liberdade de todos os trabalhadores presos e perseguidos.

6. Convocamos todas as mulheres, do campo e urbanas, para uma grande jornada de lutas no 8 de março. As trabalhadoras são as mais atingidas pela reforma da Previdência, aprofundando as desigualdades de gênero numa sociedade machista e patriarcal.

7. Combateremos a venda de terras para o capital estrangeiro, o retrocesso da reforma agrária e o modelo do agronegócio através de uma jornada de lutas e ocupações no mês de abril. Propomos ainda a realização de uma grande Marcha Nacional à Brasília, no segundo semestre, para denunciar as medidas do governo golpista.

8. Defendemos a convocação de eleições gerais para o Congresso e para a Presidência da República, para que seja devolvido ao povo o direito de escolher seus representantes.

9. Nos somaremos à Frente Brasil Popular e outras organizações de trabalhadores e trabalhadoras para construir um Programa Emergencial que combata o desemprego, a desigualdade de renda e a perda de direitos. Convocamos os trabalhadores e trabalhadoras para que no próximo período possamos construir grandes mobilizações da classe em torno do direito à Terra, à Moradia e ao Trabalho.

10. Afirmamos nosso compromisso de solidariedade com a luta de todos os povos do mundo, frente à ofensiva do capital, o autoritarismo dos governos, a prepotência do império estadunidense, as guerras insanas, na defesa dos direitos de todos os povos por justiça e igualdade.

Nos comprometemos como militantes, homens, mulheres e jovens a assumir essas tarefas em defesa do povo brasileiro.

Fortaleza, 27 de janeiro de 2017

Lutar! Construir Reforma Agrária Popular!

Título: MST lança carta contra reforma da Previdência e 'entreguismo' de Temer, Conteúdo: São Paulo – Por mais direitos e contra a reforma da Previdência, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lançou uma carta na sexta-feira (27), reafirmando a luta pela soberania popular e a oposição às privatizações e medidas do governo de Michel Temer. No texto, o movimento diz que, além da defesa pela reforma agrária, busca reforçar a resistência contra a venda de terras para o capital estrangeiro e o modelo do agronegócio. O MST também pede eleições gerais para o Congresso Nacional e para a Presidência da República.  Ainda na carta, o movimento convoca todas as mulheres, do campo e urbanas, para uma grande jornada de lutas em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, contra a reforma da Previdência que aprofunda mais a desigualdade de gênero. A chamada Carta de Fortaleza foi aprovada durante reunião da coordenação nacional do MST, com mais de 400 militantes, realizada na capital cearense de segunda a sexta-feira da semana passada (23 a 27). Leia o texto na íntegra: CARTA DE FORTALEZA Inspirados pelas lutas camponesas cearenses, nós, coordenadoras e coordenadores nacionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra nos reunimos em Fortaleza reivindicando a memória e o exemplo de Fidel Castro, do centenário da Revolução Russa e do cinquentenário do martírio de Che Guevara, para estudar a conjuntura política e agrária de nosso país e projetar os desafios e tarefas para o próximo período. Há uma crise estrutural do capitalismo, acentuada desde 2008, expressa nas crises econômica, política, social e ambiental, representada pelas propostas autoritárias e fascistas, que ameaçam os direitos humanos, trabalhistas e os bens da natureza em todo mundo. Neste contexto, para que o Capital continue se apropriando dos recursos econômicos da sociedade, é necessária a eliminação dos direitos históricos da classe trabalhadora para que estes recursos estejam disponíveis unicamente para o mercado financeiro. O golpe e os atos institucionais do governo ilegítimo no Brasil, como a reforma da previdência, trabalhista, a PEC 55 e a entrega do Pré-Sal são exemplares deste movimento. Diante deste cenário: 1. Reafirmamos a necessidade de reformas estruturais e de uma Reforma Agrária Popular, que garanta a soberania alimentar, a soberania nacional contra a venda das terras para o capital estrangeiro e a defesa dos bens da natureza (a água, em especial o aquífero Guarani, a terra, os minérios, o petróleo e a biodiversidade). Somos contrários e combateremos a Medida Provisória 759 do retrocesso da Reforma Agrária, que privatiza as terras destinadas à reforma agrária, transformando-as em mercadoria, legaliza os grileiros de terras públicas e exclui os as trabalhadoras e trabalhadores acampados do processo de assentamentos. 2. Lutaremos contra a privatização das terras, disfarçada de titulação, e que pretende livrar-se dos assentados como mecanismo de exclusão das políticas de reforma agrária. Exigimos o registro dos lotes e dos assentamentos na forma de Concessão de Direito Real de Uso da Terra (CDRU) e o impedimento da venda de terras dos assentamentos. 3. Nos comprometemos a lutar com o conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e outras medidas que retirem os direitos historicamente conquistados. Nos comprometemos com a construção da Frente Brasil Popular e de seu enraizamento nos municípios. 4. Somos solidários e solidárias a todas as formas de lutas e resistência contra o Golpe e apoiaremos todos os setores de nosso povo que tem se mobilizado em luta, desde os povos indígenas e quilombolas aos estudantes em escolas ocupadas, na defesa da educação pública. Assim, nos somaremos à jornada de lutas de 8 a 15 de março convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE). 5. Denunciamos a criminalização da luta social, com a utilização de entulhos jurídicos que perseguem e condenam a luta social, sem provas e a serviço dos interesses do capital, fruto da soberba, arrogância e autoritarismo de um Poder Judiciário carregado de privilégios, mas sem nenhum compromisso social. Exigimos a liberdade de todos os trabalhadores presos e perseguidos. 6. Convocamos todas as mulheres, do campo e urbanas, para uma grande jornada de lutas no 8 de março. As trabalhadoras são as mais atingidas pela reforma da Previdência, aprofundando as desigualdades de gênero numa sociedade machista e patriarcal. 7. Combateremos a venda de terras para o capital estrangeiro, o retrocesso da reforma agrária e o modelo do agronegócio através de uma jornada de lutas e ocupações no mês de abril. Propomos ainda a realização de uma grande Marcha Nacional à Brasília, no segundo semestre, para denunciar as medidas do governo golpista. 8. Defendemos a convocação de eleições gerais para o Congresso e para a Presidência da República, para que seja devolvido ao povo o direito de escolher seus representantes. 9. Nos somaremos à Frente Brasil Popular e outras organizações de trabalhadores e trabalhadoras para construir um Programa Emergencial que combata o desemprego, a desigualdade de renda e a perda de direitos. Convocamos os trabalhadores e trabalhadoras para que no próximo período possamos construir grandes mobilizações da classe em torno do direito à Terra, à Moradia e ao Trabalho. 10. Afirmamos nosso compromisso de solidariedade com a luta de todos os povos do mundo, frente à ofensiva do capital, o autoritarismo dos governos, a prepotência do império estadunidense, as guerras insanas, na defesa dos direitos de todos os povos por justiça e igualdade. Nos comprometemos como militantes, homens, mulheres e jovens a assumir essas tarefas em defesa do povo brasileiro. Fortaleza, 27 de janeiro de 2017 Lutar! Construir Reforma Agrária Popular!



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.