Lula ataca privatizações de Temer e diz que soberania do país está em jogo

ula discursou em ato político em Crato e Juazeiro para encerrar o décimo terceiro dia da c

Escrito por: Redação RBA • Publicado em: 31/08/2017 - 11:22 • Última modificação: 31/08/2017 - 11:25 Escrito por: Redação RBA Publicado em: 31/08/2017 - 11:22 Última modificação: 31/08/2017 - 11:25

ão Paulo – "O juiz Sergio Moro (da operação Lava Jato) deveria trabalhar para evitar a privatização e saber quem é que está ganhando com isso", afirmou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na noite de ontem (30), ao criticar o processo de privatização que tomou conta do governo de Michel Temer. Lula discursou em ato político em Crato, no Ceará, para encerrar o décimo terceiro dia da caravana pelo Nordeste, que começou em Salvador e passa por nove estados e 25 municípios até 5 de setembro.

"Vão vender a Petrobras e abrir o pré-sal, enquanto nós aprovamos a lei de partilha do pré-sal, que destina 75% dos royalties para a educação e isso também está sendo terminado. O Brasil virou o importador de gasolina. Eles querem vender a Eletrobras; o país investiu R$ 400 bilhões e querem vender (a empresa) por R$ 20 bilhões", afirmou. 

O ex-presidente disse que depois do impeachment, estão destruindo o país com a emenda constitucional do teto de gastos públicos por 20 anos, entre outras medidas. "Eu tenho conversado com reitores de universidades federais que dizem não ter dinheiro para fazer muitas coisas. Pararam os investimentos nas escolas técnicas, não tem mais dinheiro nem para cortar grama".

A caravana de Lula chegou com atraso em Crato e Juazeiro do Norte – as duas cidades são conurbadas. O início do ato estava marcado para as 18h, mas passava de 20h quando a caravana chegou nas duas cidades. Juazeiro do Norte é a histórica cidade de Padre Cícero. Ao chegar à região metropolitana do sertão do Cariri, Lula primeiro recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade Regional do Cariri.

Depois, Lula foi homenageado com dois títulos de cidadão, dos prefeitos de Crato e Salitre, outra cidade da região. "Ô, Lula, já está na hora de você voltar de novo, ninguém aguenta mais comer arroz com ovo", disse, entre outros versos, o mestre de cerimônia do ato.

O ex-presidente está cansado, com a voz rouca. Pede para reduzirem as luzes do palco, que ele mal consegue ver a multidão que se aglomera para conhecê-lo. E recebe mais homenagens, entre elas, uma cesta com produtos da agricultura familiar, objeto de uma das políticas públicas mais importantes de seu governo, que chegou a investir R$ 30 bilhões por ano no setor, para mudar a face da pobreza do Nordeste. O ex-presidente recebeu também uma estátua de Padre Cícero da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras do Estado do Ceará (Fetraece).

"Não precisa de diploma, precisa de um coração puro para o país sair dessa desconstrução que está ai. Temos que mudar esse governo corrupto, são criminosos da pátria", disse a trabalhadora, representante de um sindicatos de comerciários da região, referindo-se ao governo de Michel Temer, que tem atacado os direitos dos trabalhadores, conquistados durante os governos do PT. Lula também esteve ao lado dos jovens e chegou a erguer a bandeira do Levante Popular da Juventude.

Depois fez o discurso final, o sétimo de um dia que estava previsto para ter apenas dois discursos. Passava de meia noite. "Eu queria primeiro ter a compreensão de que demos um banho de canseira em vocês hoje. Não foi justo o que fizemos, mas está acontecendo uma coisa interessante, o povo vai para a beira da estrada e para o ônibus da nossa caravana. Eu tinha dois discursos previstos para hoje e com este aqui é o sétimo discurso do dia, minha garganta não suporta mais", disse Lula.

Ao fim do discurso, Lula voltou a criticar os ataques que tem recebido da mídia, em especial da Rede Globo. "Nós temos 14 meses até a eleição, eu não posso falar em eleição porque estão dizendo que essa viagem é campanha. O que é campanha: eu viajar ou a Globo fazer tanta distorção, eles passam 24 horas por dia falando mal de mim e da Dilma. Isso é campanha", afirmou.

"Eu não sei se vou ser candidato, mas se for, é para ganhar e cuidar das pessoas mais humildes. Eu gosto do Brasil, mas o Nordeste ficou sendo tratado como pobre por 200 anos. Aqui só se falava em seca, em mortalidade infantil. Quando se imaginava que o filho de uma doméstica poderia ser engenheiro?! Agora isso acontece e vence quem é melhor, quem é mais inteligente e não quem tem mais dinheiro. Ninguém pode cair no desespero, deixar de sonhar ou perder a esperança. E eu tenho vontade de lutar como se fosse um menino de 18 anos. Nós não vamos permitir esse retrocesso. Vou descansar, o Ceará quase me matou hoje, minha garganta foi sugada pelo PT do Ceará mas se tiver um cearense que precise, pode me chamar que eu estou aqui", concluiu. 

Título: Lula ataca privatizações de Temer e diz que soberania do país está em jogo, Conteúdo: ão Paulo – O juiz Sergio Moro (da operação Lava Jato) deveria trabalhar para evitar a privatização e saber quem é que está ganhando com isso, afirmou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na noite de ontem (30), ao criticar o processo de privatização que tomou conta do governo de Michel Temer. Lula discursou em ato político em Crato, no Ceará, para encerrar o décimo terceiro dia da caravana pelo Nordeste, que começou em Salvador e passa por nove estados e 25 municípios até 5 de setembro. Vão vender a Petrobras e abrir o pré-sal, enquanto nós aprovamos a lei de partilha do pré-sal, que destina 75% dos royalties para a educação e isso também está sendo terminado. O Brasil virou o importador de gasolina. Eles querem vender a Eletrobras; o país investiu R$ 400 bilhões e querem vender (a empresa) por R$ 20 bilhões, afirmou.  O ex-presidente disse que depois do impeachment, estão destruindo o país com a emenda constitucional do teto de gastos públicos por 20 anos, entre outras medidas. Eu tenho conversado com reitores de universidades federais que dizem não ter dinheiro para fazer muitas coisas. Pararam os investimentos nas escolas técnicas, não tem mais dinheiro nem para cortar grama. A caravana de Lula chegou com atraso em Crato e Juazeiro do Norte – as duas cidades são conurbadas. O início do ato estava marcado para as 18h, mas passava de 20h quando a caravana chegou nas duas cidades. Juazeiro do Norte é a histórica cidade de Padre Cícero. Ao chegar à região metropolitana do sertão do Cariri, Lula primeiro recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade Regional do Cariri. Depois, Lula foi homenageado com dois títulos de cidadão, dos prefeitos de Crato e Salitre, outra cidade da região. Ô, Lula, já está na hora de você voltar de novo, ninguém aguenta mais comer arroz com ovo, disse, entre outros versos, o mestre de cerimônia do ato. O ex-presidente está cansado, com a voz rouca. Pede para reduzirem as luzes do palco, que ele mal consegue ver a multidão que se aglomera para conhecê-lo. E recebe mais homenagens, entre elas, uma cesta com produtos da agricultura familiar, objeto de uma das políticas públicas mais importantes de seu governo, que chegou a investir R$ 30 bilhões por ano no setor, para mudar a face da pobreza do Nordeste. O ex-presidente recebeu também uma estátua de Padre Cícero da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras do Estado do Ceará (Fetraece). Não precisa de diploma, precisa de um coração puro para o país sair dessa desconstrução que está ai. Temos que mudar esse governo corrupto, são criminosos da pátria, disse a trabalhadora, representante de um sindicatos de comerciários da região, referindo-se ao governo de Michel Temer, que tem atacado os direitos dos trabalhadores, conquistados durante os governos do PT. Lula também esteve ao lado dos jovens e chegou a erguer a bandeira do Levante Popular da Juventude. Depois fez o discurso final, o sétimo de um dia que estava previsto para ter apenas dois discursos. Passava de meia noite. Eu queria primeiro ter a compreensão de que demos um banho de canseira em vocês hoje. Não foi justo o que fizemos, mas está acontecendo uma coisa interessante, o povo vai para a beira da estrada e para o ônibus da nossa caravana. Eu tinha dois discursos previstos para hoje e com este aqui é o sétimo discurso do dia, minha garganta não suporta mais, disse Lula. Ao fim do discurso, Lula voltou a criticar os ataques que tem recebido da mídia, em especial da Rede Globo. Nós temos 14 meses até a eleição, eu não posso falar em eleição porque estão dizendo que essa viagem é campanha. O que é campanha: eu viajar ou a Globo fazer tanta distorção, eles passam 24 horas por dia falando mal de mim e da Dilma. Isso é campanha, afirmou. Eu não sei se vou ser candidato, mas se for, é para ganhar e cuidar das pessoas mais humildes. Eu gosto do Brasil, mas o Nordeste ficou sendo tratado como pobre por 200 anos. Aqui só se falava em seca, em mortalidade infantil. Quando se imaginava que o filho de uma doméstica poderia ser engenheiro?! Agora isso acontece e vence quem é melhor, quem é mais inteligente e não quem tem mais dinheiro. Ninguém pode cair no desespero, deixar de sonhar ou perder a esperança. E eu tenho vontade de lutar como se fosse um menino de 18 anos. Nós não vamos permitir esse retrocesso. Vou descansar, o Ceará quase me matou hoje, minha garganta foi sugada pelo PT do Ceará mas se tiver um cearense que precise, pode me chamar que eu estou aqui, concluiu. 



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.