Jornada do Dieese, Reforma Trabalhista e o "olho no furacão"

O objetivo foi avaliar os impactos da nova legislação nas relações do trabalho e discutir ações para a classe trabalhadora enfrentar a conjuntura política de retrocessos de direitos.

Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE • Publicado em: 03/08/2017 - 22:27 • Última modificação: 04/08/2017 - 13:00 Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE Publicado em: 03/08/2017 - 22:27 Última modificação: 04/08/2017 - 13:00

CUT-PE

Em parceria com as centrais sindicais, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) realizou na manhã desta quinta-feira (03/08) sua 14ª Jornada Nacional de Debates para organizar a resistência contra a nova legislação trabalhista e formular estratégias sindicais direcionadas às campanhas salariais no segundo semestre. 

No Recife, o encontro aconteceu no auditório da Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Informática, Processamento de Dados e Tecnologia da Informação (Sindp-PE), localizado na Boa Vista e reuniu representantes de inúmeras entidades sindicais, além da CUT, CTB, CSB, UGT, CGTB, Conlutas, Força Sindical, Nova Central e Intersindical. O objetivo foi avaliar os impactos da nova legislação nas relações do trabalho e discutir ações para as centrais sindicais enfrentarem a conjuntura política d retrocessos de direitos.

Os sindicalistas participaram da Jornada de Debates do Dieese, visando para reforçar a luta contra a nova legislação trabalhista e formular estratégias direcionadas às campanhas salariais no segundo semestre deste ano. Eles fizeram uma análise objetiva sobre alguns dos direitos suprimidos, reduzidos e as armadilhas impostas pela Reforma Trabalhista do golpista Michel Temer, lembrando que é fundamental a união dos trabalhadores e trabalhadoras para impedir a  implementação desse retrocesso. Em suas intervenções deixaram bem claro suas preocupações diante das investidas de Temer e seus aliados.: "Temos que nos mobilizar ainda mais para combater o capitalismo ganancioso e inescrupuloso dos empresários, por conta das mudanças na legislação trabalhista. Não podemos admitir os efeitos drásticos da reforma trabalhista que só visa prejudicar a classe trabalhadora com menos salários, menos direitos e condições de trabalho”, afirmaram. 

Para o presidente da CUT em Pernambuco, Carlos Veras, o movimento sindical precisará encontrar novas formas de luta para enfrentar os impactos da reforma trabalhista e a lei terceirização."Para se ter uma ideia são 317 mudanças profundas em artigos e conceitos da legislação trabalhista aprovadas no Congresso Nacional contra os trabalhadores (as).. A legislação entra em vigor nos próximos  120 dias e precisamos nos preparar para enfrentar cada aspecto das novas regras”, enfatizou Veras.

Título: Jornada do Dieese, Reforma Trabalhista e o "olho no furacão", Conteúdo: Em parceria com as centrais sindicais, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) realizou na manhã desta quinta-feira (03/08) sua 14ª Jornada Nacional de Debates para organizar a resistência contra a nova legislação trabalhista e formular estratégias sindicais direcionadas às campanhas salariais no segundo semestre.  No Recife, o encontro aconteceu no auditório da Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Informática, Processamento de Dados e Tecnologia da Informação (Sindp-PE), localizado na Boa Vista e reuniu representantes de inúmeras entidades sindicais, além da CUT, CTB, CSB, UGT, CGTB, Conlutas, Força Sindical, Nova Central e Intersindical. O objetivo foi avaliar os impactos da nova legislação nas relações do trabalho e discutir ações para as centrais sindicais enfrentarem a conjuntura política d retrocessos de direitos. Os sindicalistas participaram da Jornada de Debates do Dieese, visando para reforçar a luta contra a nova legislação trabalhista e formular estratégias direcionadas às campanhas salariais no segundo semestre deste ano. Eles fizeram uma análise objetiva sobre alguns dos direitos suprimidos, reduzidos e as armadilhas impostas pela Reforma Trabalhista do golpista Michel Temer, lembrando que é fundamental a união dos trabalhadores e trabalhadoras para impedir a  implementação desse retrocesso. Em suas intervenções deixaram bem claro suas preocupações diante das investidas de Temer e seus aliados.: Temos que nos mobilizar ainda mais para combater o capitalismo ganancioso e inescrupuloso dos empresários, por conta das mudanças na legislação trabalhista. Não podemos admitir os efeitos drásticos da reforma trabalhista que só visa prejudicar a classe trabalhadora com menos salários, menos direitos e condições de trabalho”, afirmaram.  Para o presidente da CUT em Pernambuco, Carlos Veras, o movimento sindical precisará encontrar novas formas de luta para enfrentar os impactos da reforma trabalhista e a lei terceirização.Para se ter uma ideia são 317 mudanças profundas em artigos e conceitos da legislação trabalhista aprovadas no Congresso Nacional contra os trabalhadores (as).. A legislação entra em vigor nos próximos  120 dias e precisamos nos preparar para enfrentar cada aspecto das novas regras”, enfatizou Veras.



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.