CUT presente na paralisação promovida pelo Macrossetor da Indústria

Além da CUT, estavam presentes o Sindicato dos Metalúrgicos, Químicos, Petroleiros, Borracha, Têxtil e o MST.

Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE • Publicado em: 21/05/2018 - 10:25 • Última modificação: 21/05/2018 - 10:40 Escrito por: Assessoria de Imprensa da CUT-PE Publicado em: 21/05/2018 - 10:25 Última modificação: 21/05/2018 - 10:40

CUT-PE

A Central  Ùnica dos Trabalhadores de Pernambuco (CUT-PE_ participou na manhã desta segunda-feira (21) na Refinaria Abreu e Lima, no município de Ipojuca, de uma paralisação promovida pelo Macrossetor da Indústria para conversar com trabalhadores próprios e terceirizados. Na pauta, a luta contra a privatização do Sistema Petrobras, contra o sucateamento do Setor Naval e pela manutenção dos empregos da petroquímica. Além da CUT, estavam presentes o Sindicato dos Metalúrgicos, Químicos, Petroleiros, Borracha, Têxtil e o MST.

O presidente da CUT-PE, Carlos Veras, lembrou também que, “defender a liberdade e a candidatura de Lula é defender o pólo naval, a não privatização da Refinaria e frear o conjunto das privatizações. Lula tem que voltar a ser presidente para que haja retomada de um projeto popular de desenvolvimento e, estancar o golpe e os retrocessos.

Vale lembrar que a  Rnest, como é conhecida, faz parte do pacote de privatização do Parente que pretende entregar de uma só vez Refinarias do Pernambuco e Bahia, além de dutos e terminais dos dois portos estaduais. Desses ativos, a Petrobras ficará com 40% e os outros 60% serão transferidos para o setor privado, assim como o controle da operação.

A Refinaria Abreu e Lima é responsável pela produção de 30% do Diesel S-10 do Brasil e processa 100 mil barris de petróleo por dia. De acordo com dados do Complexo de Suape, a instalação da Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco elevou a outro patamar a movimentação de cargas no Porto de Suape.  "Em 2013, antes do início da operação, o atracadouro registrou um total de 12,7 milhões de toneladas. Entre 2014 e 2017, Suape computou um crescimento de 55%, graças, sobretudo, aos combustíveis e outros derivados de petróleo, que hoje são a principal carga movimentada (74% do total).

Em 2017, o porto alcançou a marca recorde de 23,6 milhões de toneladas operadas, dado que o coloca na liderança nacional na movimentação de graneis líquidos e o posiciona na 5ª colocação entre todos os portos públicos do país." Apesar do avanço do setor a partir da refinaria, o governo pretende abrir mão de ser dono desta riqueza, que é patrimônio dos brasileiros.

 

Título: CUT presente na paralisação promovida pelo Macrossetor da Indústria, Conteúdo: A Central  Ùnica dos Trabalhadores de Pernambuco (CUT-PE_ participou na manhã desta segunda-feira (21) na Refinaria Abreu e Lima, no município de Ipojuca, de uma paralisação promovida pelo Macrossetor da Indústria para conversar com trabalhadores próprios e terceirizados. Na pauta, a luta contra a privatização do Sistema Petrobras, contra o sucateamento do Setor Naval e pela manutenção dos empregos da petroquímica. Além da CUT, estavam presentes o Sindicato dos Metalúrgicos, Químicos, Petroleiros, Borracha, Têxtil e o MST. O presidente da CUT-PE, Carlos Veras, lembrou também que, “defender a liberdade e a candidatura de Lula é defender o pólo naval, a não privatização da Refinaria e frear o conjunto das privatizações. Lula tem que voltar a ser presidente para que haja retomada de um projeto popular de desenvolvimento e, estancar o golpe e os retrocessos. Vale lembrar que a  Rnest, como é conhecida, faz parte do pacote de privatização do Parente que pretende entregar de uma só vez Refinarias do Pernambuco e Bahia, além de dutos e terminais dos dois portos estaduais. Desses ativos, a Petrobras ficará com 40% e os outros 60% serão transferidos para o setor privado, assim como o controle da operação. A Refinaria Abreu e Lima é responsável pela produção de 30% do Diesel S-10 do Brasil e processa 100 mil barris de petróleo por dia. De acordo com dados do Complexo de Suape, a instalação da Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco elevou a outro patamar a movimentação de cargas no Porto de Suape.  Em 2013, antes do início da operação, o atracadouro registrou um total de 12,7 milhões de toneladas. Entre 2014 e 2017, Suape computou um crescimento de 55%, graças, sobretudo, aos combustíveis e outros derivados de petróleo, que hoje são a principal carga movimentada (74% do total). Em 2017, o porto alcançou a marca recorde de 23,6 milhões de toneladas operadas, dado que o coloca na liderança nacional na movimentação de graneis líquidos e o posiciona na 5ª colocação entre todos os portos públicos do país. Apesar do avanço do setor a partir da refinaria, o governo pretende abrir mão de ser dono desta riqueza, que é patrimônio dos brasileiros.  



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.