Começa nesta segunda (28) o Congresso Extraordinário da CUT

CUT completa 34 anos e debate os rumos do país com sindicatos e movimentos sociais

Escrito por: Érica Aragão • Publicado em: 28/08/2017 - 10:43 • Última modificação: 28/08/2017 - 10:47 Escrito por: Érica Aragão Publicado em: 28/08/2017 - 10:43 Última modificação: 28/08/2017 - 10:47

Roberto Parizotti

Na data em que completa 34 anos, nesta segunda-feira (28/08), a CUT começa a discutir seus rumos como maior central sindical da América Latina em sua “15º Plenária/Congresso Extraordinário e Exclusivo: 100 anos depois...A luta continua! Nenhum Direito a Menos". O evento lembra o centenário da primeira greve geral no Brasil e os 100 anos da Revolução Russa.  O Congresso vai abrigar uma exposição sobre a greve geral de 1917organizada pelo Centro de Documentação e Memória Sindical (Cedoc/CUT) e pela Secretaria de Cultura da CUT, em parceria com o Arquivo Edgard Leuenroth, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Logo cedo, o Presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas divulgou um vídeo de saudação à luta dos trabalhadores e trabalhadoras que fazem parte da história da maior central sindical da América Latina.

Em São Paulo, os debates começam pela manhã, com análises sobre a conjuntura internacional pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, João Felícia (presidente da Confederação Sinsical Internacional) e ojornalista Luís Nassif.  Em seguida, o debate prossegue com Fausto Durante, da Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL); Hugo Yasky, da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA); e Victor Baez, secretário-geral da Confederação Sindical dos Trabalhadores e das Trabalhadoras das Américas (CSA).

A conjuntura nacional é tema de um debate à tarde que vai reunir Guilherme Boulos (MTST), João Pedro Stédile (MST), Gleisi Hoffmann (PT) e Vagner Freitas (CUT). 

À noite, às 20h, ocorre a cerimônia oficial de abertura do Congresso, que vai até quinta-feira (31). Quase 100 convidados internacionais se juntarão no evemnto aos mais de 720 delegados e delegadas de todo país e representantes de movimentos sociais do campo e da cidade, da Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo.

É uma Plenária Estatutária que se transformou em um Congresso Extraordinário devido à gravidade do momento em que Brasil passa e relembra no nome da atividade, os 100 anos da primeira Greve Geral do país e a luta continua. “Muita coisa mudou desde o 12º Congresso da CUT, que aconteceu em 2015. A presidenta Dilma Rousseff estava no começo de sua segunda gestão em que o cenário era outro. Agora temos um presidente não eleito para executar um projeto derrotado nas últimas três eleições e que tira direito do povo todos os dias”, enfatiza a secretária-geral adjunta, Maria Faria.

“Precisamos atualizar coletivamente a nossa análise de conjuntura, as estratégias e o plano de lutas contruindo a unidade com os movimentos sociais para enfrentarmos e lutarmos contra os retrocessos para a classe trabalhadora, em defesa da democracia e por um país mais justo”, completa Maria.

O Congresso extraordinário da CUT já teve etapas preparatórias em todas as regiões do país, indicando sugestões e proposições de trabalhadores e de trabalhadoras para contribuir com as resoluções da Nacional para o próximo período.

Confira abaixo a programação, disponível também no aplicativo da CUT.

“Este Congresso tem como um de seus principais objetivos trazer para o centro dos debates, com os delegados e as delegadas, a verdadeira face da luta de classes que estamos vivendo, no qual a financeirização do campital faz o papel de "governar" o país", ressalta Maria.

“Também teremos um grande desafio para 2018. Temos que debater qual será o projeto que vai defender ou não a classe trabalhadora e a democracia no país. Nós como atores sociais, que somos, temos que discutir, sim, que país é este e que estado é esse que nós defendemos”, conclui ela.

Serviço

Local: Espaço Immensità: Av. Luiz Dumont Villares, 392 - Junto ao Complexo Hoteleiro Wyndham Garden Convention Nortel - F. 11 5070-9000

Datas: Dias 28,29,30 e 31 de agosto de 2017

Horário: a partir das 9h

Título: Começa nesta segunda (28) o Congresso Extraordinário da CUT, Conteúdo: Na data em que completa 34 anos, nesta segunda-feira (28/08), a CUT começa a discutir seus rumos como maior central sindical da América Latina em sua “15º Plenária/Congresso Extraordinário e Exclusivo: 100 anos depois...A luta continua! Nenhum Direito a Menos. O evento lembra o centenário da primeira greve geral no Brasil e os 100 anos da Revolução Russa.  O Congresso vai abrigar uma exposição sobre a greve geral de 1917organizada pelo Centro de Documentação e Memória Sindical (Cedoc/CUT) e pela Secretaria de Cultura da CUT, em parceria com o Arquivo Edgard Leuenroth, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Logo cedo, o Presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas divulgou um vídeo de saudação à luta dos trabalhadores e trabalhadoras que fazem parte da história da maior central sindical da América Latina. Em São Paulo, os debates começam pela manhã, com análises sobre a conjuntura internacional pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, João Felícia (presidente da Confederação Sinsical Internacional) e ojornalista Luís Nassif.  Em seguida, o debate prossegue com Fausto Durante, da Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL); Hugo Yasky, da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA); e Victor Baez, secretário-geral da Confederação Sindical dos Trabalhadores e das Trabalhadoras das Américas (CSA). A conjuntura nacional é tema de um debate à tarde que vai reunir Guilherme Boulos (MTST), João Pedro Stédile (MST), Gleisi Hoffmann (PT) e Vagner Freitas (CUT).  À noite, às 20h, ocorre a cerimônia oficial de abertura do Congresso, que vai até quinta-feira (31). Quase 100 convidados internacionais se juntarão no evemnto aos mais de 720 delegados e delegadas de todo país e representantes de movimentos sociais do campo e da cidade, da Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. É uma Plenária Estatutária que se transformou em um Congresso Extraordinário devido à gravidade do momento em que Brasil passa e relembra no nome da atividade, os 100 anos da primeira Greve Geral do país e a luta continua. “Muita coisa mudou desde o 12º Congresso da CUT, que aconteceu em 2015. A presidenta Dilma Rousseff estava no começo de sua segunda gestão em que o cenário era outro. Agora temos um presidente não eleito para executar um projeto derrotado nas últimas três eleições e que tira direito do povo todos os dias”, enfatiza a secretária-geral adjunta, Maria Faria. “Precisamos atualizar coletivamente a nossa análise de conjuntura, as estratégias e o plano de lutas contruindo a unidade com os movimentos sociais para enfrentarmos e lutarmos contra os retrocessos para a classe trabalhadora, em defesa da democracia e por um país mais justo”, completa Maria. O Congresso extraordinário da CUT já teve etapas preparatórias em todas as regiões do país, indicando sugestões e proposições de trabalhadores e de trabalhadoras para contribuir com as resoluções da Nacional para o próximo período. Confira abaixo a programação, disponível também no aplicativo da CUT. “Este Congresso tem como um de seus principais objetivos trazer para o centro dos debates, com os delegados e as delegadas, a verdadeira face da luta de classes que estamos vivendo, no qual a financeirização do campital faz o papel de governar o país, ressalta Maria. “Também teremos um grande desafio para 2018. Temos que debater qual será o projeto que vai defender ou não a classe trabalhadora e a democracia no país. Nós como atores sociais, que somos, temos que discutir, sim, que país é este e que estado é esse que nós defendemos”, conclui ela. Serviço Local: Espaço Immensità: Av. Luiz Dumont Villares, 392 - Junto ao Complexo Hoteleiro Wyndham Garden Convention Nortel - F. 11 5070-9000 Datas: Dias 28,29,30 e 31 de agosto de 2017 Horário: a partir das 9h



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.