Atos pelo mundo pedem Lula Livre e questionam parcialidade da Justiça brasileira

Manifestantes de diversos países participaram do “Dia Mundial de Ação Lula Livre”

Escrito por: Erica Aragão • Publicado em: 24/04/2018 - 11:27 • Última modificação: 24/04/2018 - 11:36 Escrito por: Erica Aragão Publicado em: 24/04/2018 - 11:27 Última modificação: 24/04/2018 - 11:36

ARTE: ALEX CAPUANO

Convocado pela Confederação Sindical Internacional (CSI), nesta segunda-feira (23), sindicatos de vários países do mundo organizaram atos nas embaixadas do Brasil, no “Dia Mundial de Ação Lula Livre”, para gritar em vários idiomas e sotaques: “Lula Livre”. Cartas de protesto também fizeram parte da mobilização e foram enviadas ao governo brasileiro questionando a parcialidade da Justiça no caso do ex-presidente.

Os trabalhadores e trabalhadoras da Argentina, Colômbia, Índia, Bélgica, Indonésia, Paraguai, Inglaterra, Estados Unidos, Gana e El Salvador foram para a frente das embaixadas brasileiras e protestaram em defesa de #LulaLivre. Em outros países, Albânia, França, Itália, Bulgária, Espanha, México, Filipinas e Uruguai, os trabalhadores escreveram cartas ao governo brasileiro, onde, além de questionar o Judiciário brasileiro, pediam pela liberdade do ex-presidente e o respeito ao seu direito de ser candidato nas eleições deste ano.

Para o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa, os atos que aconteceram no mundo inteiro são importantes para fortalecer a luta no Brasil e para denunciar ao mundo a perseguição contra Lula.

“Diferente do que a imprensa brasileira e que o poder judiciário brasileiro tentam passar, o mundo inteiro sabe que Lula é um prisioneiro político e que a direita brasileira quer impedir que o ex-presidente seja candidato e possa governar o Brasil outra vez”, disse Lisboa.

A ação global faz parte da campanha “Stay With Lula” (estamos com Lula), que pede pela liberdade imediata de Lula, condenado sem crimes nem provas, e um julgamento justo para o ex-presidente, liderança política e popular mundialmente reconhecida.

A União dos Sindicatos Independentes da Albânia pediu ao governo brasileiro para que respeite o direito internacional e os direitos humanos fundamentais e garantam uma revisão jurídica imparcial do processo contra Lula.

Já a Confederação Francesa Democrática do Trabalho pede que Lula seja colocado em liberdade até que ocorra uma condução séria do processo jurídico, com respeito à presunção de inocência. A entidade também solicita que, nas próximas eleições presidenciais, a Justiça e o governo brasileiro permitam um debate responsável sobre o futuro do país, com a presença dos candidatos mais representativos, como é o caso do ex-presidente Lula.

Título: Atos pelo mundo pedem Lula Livre e questionam parcialidade da Justiça brasileira, Conteúdo: Convocado pela Confederação Sindical Internacional (CSI), nesta segunda-feira (23), sindicatos de vários países do mundo organizaram atos nas embaixadas do Brasil, no “Dia Mundial de Ação Lula Livre”, para gritar em vários idiomas e sotaques: “Lula Livre”. Cartas de protesto também fizeram parte da mobilização e foram enviadas ao governo brasileiro questionando a parcialidade da Justiça no caso do ex-presidente. Os trabalhadores e trabalhadoras da Argentina, Colômbia, Índia, Bélgica, Indonésia, Paraguai, Inglaterra, Estados Unidos, Gana e El Salvador foram para a frente das embaixadas brasileiras e protestaram em defesa de #LulaLivre. Em outros países, Albânia, França, Itália, Bulgária, Espanha, México, Filipinas e Uruguai, os trabalhadores escreveram cartas ao governo brasileiro, onde, além de questionar o Judiciário brasileiro, pediam pela liberdade do ex-presidente e o respeito ao seu direito de ser candidato nas eleições deste ano. Para o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa, os atos que aconteceram no mundo inteiro são importantes para fortalecer a luta no Brasil e para denunciar ao mundo a perseguição contra Lula. “Diferente do que a imprensa brasileira e que o poder judiciário brasileiro tentam passar, o mundo inteiro sabe que Lula é um prisioneiro político e que a direita brasileira quer impedir que o ex-presidente seja candidato e possa governar o Brasil outra vez”, disse Lisboa. A ação global faz parte da campanha “Stay With Lula” (estamos com Lula), que pede pela liberdade imediata de Lula, condenado sem crimes nem provas, e um julgamento justo para o ex-presidente, liderança política e popular mundialmente reconhecida. A União dos Sindicatos Independentes da Albânia pediu ao governo brasileiro para que respeite o direito internacional e os direitos humanos fundamentais e garantam uma revisão jurídica imparcial do processo contra Lula. Já a Confederação Francesa Democrática do Trabalho pede que Lula seja colocado em liberdade até que ocorra uma condução séria do processo jurídico, com respeito à presunção de inocência. A entidade também solicita que, nas próximas eleições presidenciais, a Justiça e o governo brasileiro permitam um debate responsável sobre o futuro do país, com a presença dos candidatos mais representativos, como é o caso do ex-presidente Lula.



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.