Manifestação e protesto contra a Reforma da Previdência

06/12/2017 - 07:39

O ato público e a caminhada de protesto movimentaram o Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência, e reuniu 2 mil manifestantes.

“Se Temer botar a reforma da Previdência para votar vamos realizar uma greve nacional. O Brasil vai parar de canto a canto e os trabalhadores vão utilizar de todas as suas ferramentas e estratégias para pressionar os parlamentares e o governo”, frisou o presidente da CUT-PE, Carlos Veras, durante ato público  realizado na praça da Democracia, Derby, nesta terça (05/12), em protesto contra reforma da Previdência do governo Temer. O sindicalista também anunciou que na próxima segunda (11/12), a central participa de uma nova manifestação contra as medidas do governo golpista que será realizada em Pernambuco pela Contag, a Fetape e a Frente Brasil Popular no Estado. 

Movimentação

O ato público e a caminhada de protesto movimentaram o Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência, e reuniu 2 mil manifestantes das centrais sindicais e dos movimentos sociais, bem como de organizações populares e de estudantes. O presidente da CUT Pernambuco, Carlos Veras, reafirmou a disposição da classe trabalhadora em defender seus direitos e, sobretudo, contra a Reforma da Previdência em tramitação no Congresso Nacional. " Hoje é mais um dia de mobilização e resistência contra esse governo golpista e seus aliados políticos. Estamos firmes, articulando uma nova greve geral. Se eles colocarem esse projeto em votação, nós vamos parar esse País. Dezembro será de muitas lutas e protestos" , ressaltou.

De acordo com Carlos Veras, o protesto teve por objetivo de criticar as propostas trabalhistas do  governo Temer. "São regras que vão prejudicar, principalmente, os que trabalham muito e ganham pouco. Nosso recado aqui é de resistência e de luta contra essas medidas", afirmou.

Presente no ato público, a professora aposentada, Maria Inês da Silva, 62 anos, disparou críticas contra o Governo Temer, e disse que é preciso continuar lutando. "Sou aposentada, eu vim participar desse protesto, porque estou  preocupada com o futuro dos meus filhos e netos. Não podemos ficar de braços cruzados, vendo esse governo fazer o que quer com a gente. É um absurdo”, assinalou.

Com faixas e cartazes e cantando músicas para demonstrar indignação ao governo do presidente Michel Temer (PMDB), o grupo criticou as medidas que modificam as regras para aposentadoria, através da reforma da previdência. A concentração foi marcada por discursos políticos de lideranças sociais, logo depois uma caminhada seguiu pela avenida Conde da Boa Vista, por volta das 17h30, indo em direção ao bairro da Boa Vista, acompanhado de um trio elétrico,e finalizado por volta das 18h45.