Sindicalismo, união e resistência em tempos de crise

Sindicalismo, união e resistência em tempos de crise

Escrito por: Antonio Bernardino Filho (Sassá) Publicado em: 06/04/2016 Publicado em: 06/04/2016

Vivemos uma efervescência política no País, onde a direita reacionária, quer a destituição do governo Dilma para ocupação e fazer o desmonte de uma ação política transformadora. As grandes lideranças sindicais  ajudaram a construir com ações e propostas concretas para chegarmos neste patamar de garantias de direitos aos trabalhadores e trabalhadoras das mais camadas menos favorecidas. Isso é fato!

Precisamos continuar firmes e contundentes para mostrar que todos juntos podemos mudar esse país. O movimento sindical brasileiro é forte e respeitado, temos na agricultura a maior Confederação de Agricultores e Agricultoras da América Latina que é a Contag, que tem atuado de forma firme, com ações que de fato ajudam a vida do homem e da mulher do campo. Não será com intimidações e ameaças que vamos deixar de lutar por um país melhor para todos, com especial atenção para as classes mais pobres. Podemos citar outros instrumentos de luta, como Central Única dos Trabalhadores (CUT) que continua na trincheira de luta, defendendo os interesses da classe trabalhadora, chamando à responsabilidade os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Ao mesmo tempo se mobiliza com movimentos sociais, estudantes, coletivos de mulheres, grupos feministas e partidos de esquerda para fazer o contra ponto à mídia golpista e ao movimento da direita conservadora que tenta derrubar um governo legitimamente eleito pelo voto.Vamos nos somar, nas ruas, aos que se opõem ao impeachment e a outros meios ilegítimos com os quais pretendem derrubar o governo  Dilma Rousseff venceu às eleições de forma clara e  legítima.

Uma coisa boa é saber que a maioria da classe trabalhadora deste país estar compreendendo o golpe e tem ajudado o movimento sindical a realizar as melhores ações para termos uma sociedade cada vez mais forte e com conquistas sociais, Vamos sim, enquanto movimento sindical mostrar ao povo quem de fato estar com a razão, desconstruindo a rede golpista globo, e mostrando a realidade por que esse é o dever e o papel preponderante do movimento sindical, ou seja, atuar mostrando a verdade sem medo, como sempre o fez. Força e determinação. O movimento sindical é forte e precisa desta consciência política de transformação.

Vamos nos somar, nas ruas, aos que se opõem ao impeachment e a outros meios ilegítimos com os quais pretendem derrubar o governo  Dilma Rousseff venceu às eleições de forma clara e  legítima. É preciso lutar contra o Golpe de Estado que os conservadores estão tentando dar no Brasil. E uma das estratégias desta luta é justamente defender os interesses da classe trabalhadora. Vamos nos manter a todo custo nas trincheiras da luta democrática e social.

Não vai ter  Golpe e vamos à luta!.    

 Antonio Bernardino Filho

Presidente do STTR Terra Nova




Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.